As postagens deste blog possuem apenas caráter informativo.

Parkinson, saúde, atividade física, alimentação, pesquisas, qualidade de vida, com textos e vídeos.

Nosso corpo tem Parkinson, nossa alma não!

domingo, 6 de novembro de 2011

DOR NO CORPO APÓS A MUSCULAÇÃO É NORMAL?

A dor no corpo após a musculação é normal sim. O trabalho com carga causa microlesões nas fibras musculares. “Para cicatrizar” essas lesões, a primeira reação do organismo é provocar um processo inflamatório, que vem acompanhado pela dor” explica Fernando Toress, médico da academia Fórmula, em São paulo (SP). Ele diz que, após um período de 24 a 48 horas, as fibras são refeitas, ficando maiores e mais fortes para guentar melhor o esforço. ” A dor suportável é parte do mesmo processo que faz o músculo crescer”, fala. Conforme seu corpo se adapta ao exercício, ela desaparece, relata o site Vida Saudável.
Dica: Uma boa bolsa para gelo é um item indispensável na vida de uma malhadora de carteirinha. Ajuda a aliviar a dor se aplicada imediatamente em casos de lesões musculares, entorses, contusões, contraturas…
As dores musculares também podem ser amenizadas com a administração de vitaminas e minerais, dizem especialistas. A suplementação protege o músculo ao impedir o rompimento das membranas celulares, neutralizando os radicais livres.
O incômodo aparece após 24 horas da prática e depende diretamente da intensidade, duração de esforço e do tipo de exercício realizado. Por isso, não esqueça de alongar antes e depois da atividade, para relaxar a musculatura, e nunca treine o mesmo grupo muscular dois dias seguidos.
Pessoas que são fisicamente ativas são mais saudáveis, mais felizes e vivem mais do que aquelas que são sedentárias. E isso é especialmente verdade para as pessoas com artrite, segundo o reumatologista Sergio Bontempi Lanzotti, diretor do Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares (Iredo).
— Alguns pacientes evitam as atividades físicas devido ao medo da dor articular ou de ferimentos. Outros evitam os exercícios pelas mesmas razões dos que não têm artrite: relutância em mudar o estilo de vida — explica o médico.
O sedentarismo, além de agravar os problemas relacionados com a artrite, pode resultar em uma série de outros riscos à saúde, incluindo o diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.
— A diminuição da tolerância à dor, a fraqueza muscular, a rigidez articular e a falta de equilíbrio, comum a muitas formas de artrite, podem ser agravadas pela falta de exercícios físicos — destaca Sérgio Lanzotti.
Para as pessoas com artrite, o exercício é parte importante do tratamento, uma vez que, juntamente com a manutenção do peso saudável, a prática pode ajudar a aliviar as dores da doença reumática.
— Não é necessário treinar como um triatleta para experimentar os benefícios do exercício físico. Iniciar os exercícios lentamente, com intensidade reduzida, irá permitir que o paciente adote com mais facilidade um plano de exercícios bem-sucedido, que irá beneficiar a sua artrite e a sua saúde geral — observa o diretor do Iredo.
Benefícios para o paciente reumático
Cada tipo de exercício tem um efeito positivo na redução da dor associada à artrite e às outras doenças reumáticas.
Conheça alguns destes benefícios:
* Mais flexibilidade: os exercícios ajudam a manter ou a melhorar a flexibilidade das articulações e dos músculos adjacentes afetados pela doença. Os benefícios incluem uma melhor postura e redução do risco de lesões. Exercícios de flexibilidade devem ser realizados de cinco a 10 vezes por dia, enquanto os exercícios de alongamento devem ser realizados, pelo menos, três dias por semana;
* Reforço da musculatura: os exercícios de fortalecimento são projetados para trabalhar os músculos. Músculos fortes melhoram sua função e ajudam a reduzir a perda óssea relacionada à inatividade. Para as pessoas com artrite, um conjunto de exercícios para os principais grupos musculares é recomendável pelo menos 2-3 vezes por semana.
— A resistência ou o peso deve desafiar os músculos, sem aumentar a dor nas articulações — observa o reumatologista;
* Melhora da capacidade aeróbica: exercícios aeróbicos incluem atividades que usam os grandes músculos do corpo de uma maneira repetitiva e rítmica. O exercício aeróbico fortalece o coração e o pulmão. Para as pessoas com artrite, este tipo de exercício agrega outros benefícios, tais como controle de peso, melhora do humor, do sono e da saúde em geral. Formas seguras de realizar exercícios aeróbicos incluem caminhada, dança aeróbica, hidroginástica, ciclismo ou exercícios em equipamentos como bicicletas ergométricas e esteiras.
— As recomendações atuais para atividade aeróbica são 150 minutos de exercícios de intensidade moderada por semana, de preferência, distribuídos por vários dias na semana — orienta Sérgio Lanzotti;
* Consciência corporal: exercícios de consciência corporal abrangem atividades para melhorar a postura, o equilíbrio, o senso de posição articular, a coordenação e o relaxamento.
— Tai chi e yoga são exemplos de exercícios recreativos que incorporam elementos da consciência corporal e podem ser muito úteis para pacientes artríticos — diz o médico.